...

...
...

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Eucaristia: "Fazei Isto em Memória de Mim."



Nosso encontro de hoje:

EUCARISTIA: "Façam isto em minha memória."

Ambiente: 
  • Mesa forrada com toalha branca; Bíblia; crucifixo; vela; flores, pão e uvas.


Recursos: 
  • Imagem de Nossa Senhora Aparecida; terços; livrinhos "Rosário para crianças" e uma rosa vermelha para ser passada de mão em mão, a cada Ave-Maria rezada. 




  • Gravuras retratando a Santa Ceia, os gestos de Jesus ao repartir o pão e o vinho, crianças levando pão e uvas até o altar, padre repetindo os gestos de Jesus na Santa Missa, pessoas comungando...



  • Pão e uvas (para partilhar no final do encontro).  Levei também, para cada criança, um kit contendo uma caixinha com suco de uva e um pãozinho.

No momento da oração inicial, em cada encontro, estamos rezando uma dezena do terço, pedindo a intercessão e a proteção de Nossa Mãe Aparecida para o nosso país e para as crianças do mundo inteiro. Hoje contemplamos o terceiro mistério gozoso: O Nascimento de Jesus.

Depois da oração inicial, relembramos o nosso último encontro, em que falamos sobre o Batismo. Vimos que ao receber o Batismo, a pessoa é inserida na vida da Igreja. Na Igreja há o batismo porque Jesus pediu aos primeiros discípulos que fossem a todas as nações para que os povos se tornassem seus discípulos também. Para isso, era necessário batizá-los e ensiná-los a viver como Jesus ordenou (cf. Mt 28, 19-20).

Em seguida, motivando para o nosso assunto de hoje, perguntei às crianças o que significa "fazer memória"? Deixei que respondessem e depois complementei.

Quando fazemos memória, lembramos algo que aconteceu no passado, lembramos pessoas que conhecemos ou que convivemos com elas, e podemos lembrar tantas outras coisas. Alguém se lembra de alguém importante com quem conviveu e que já não convive mais? Como foi o dia mais importante da sua vida? Ou ainda, como foi o primeiro dia de aula na escola?

Sempre estamos fazendo memória do passado. Isto faz parte da vida. Muitas vezes fazemos memória do passado para saber por que realizamos certas coisas hoje, inclusive na Igreja. 

Jesus deixou muitos exemplos de vida e ensinamentos. Queremos neste encontro lembrar um pedido que ele fez: "Façam isto em minha memória". Quando Jesus fez esse pedido? O que estava fazendo? Com quem estava? Vejamos o texto bíblico.

Leitura da passagem bíblica: Lc 22, 1-10; 1Cor 23-26

O povo judeu celebrava anualmente a páscoa, fazendo memória da libertação do Egito que vivenciaram. Jesus também celebrava essa páscoa. Mas, um dia antes de sua morte ele a celebrou dando um novo significado. Ele tomou o pão, deu graças, partiu e deu a seus discípulos dizendo "isto é o meu corpo que é dado por vós". E depois fez o mesmo com o cálice com vinho. O pão e o vinho são abençoados por Jesus e partilhados. O pão é o seu corpo partilhado e o vinho o seu sangue derramado. Com esses gestos Jesus se doa inteiramente a nós. Ele pede que agora esta celebração seja feita em memória dele: "Façam isto em minha memória". Após a morte e ressurreição de Jesus, os primeiros cristãos, ao se reunirem semanalmente no dia do Senhor para rezar juntos, faziam o que Ele pediu. E ao longo dos tempos, até hoje, repetimos esse gesto e o chamamos de Eucaristia.

Ao celebrar a Eucaristia a Igreja faz memória da Páscoa de Jesus, isto é, de sua vida, morte e ressurreição. Essa memória não é um teatro, uma encenação, mas uma atualização da Páscoa de Jesus hoje na nossa vida.

Jesus ao dizer que o pão e o vinho são seu corpo e o seu sangue se faz alimento para nós. Nós nos alimentamos da Eucaristia para vivermos com Jesus e termos força para a nossa missão evangelizadora.

Na Liturgia Eucarística apresentamos a nossa vida e nossas ofertas a Deus, no momento do ofertório. O pão e o vinho, oferecidos sobre o altar, se tornarão corpo e sangue de Jesus no momento da consagração.

Então, vamos recapitular:

- A Eucaristia e a Comunhão foi instituída por Jesus pouco antes de sua morte (Última Ceia);

- Ele instituiu a Eucaristia para nos deixar um sinal de sua presença;

- Desde o início da Igreja, os cristãos se reúnem para celebrar a Eucaristia e manter acesa a amizade com Jesus. Essa celebração é o que hoje chamamos de missa e da qual qual devemos sempre participar, ainda mais depois de fazermos nossa Primeira Comunhão.

Para encerrar, rezamos de mãos dadas, pedindo ao Senhor que aumente a nossa amizade; que nos ajude a viver unidos e amigos, como um verdadeiro grupo de seguidores seus; que aumente nossa comunhão e fortaleça nossos laços de fraternidade. De mãos dadas ainda, rezamos o Pai-Nosso.

Nesse momento, convidei as crianças para partilhamos o pão e as uvas.

No final, convidei a turma para participar da celebração da comunidade.




ALGUNS MOMENTOS DO NOSSO ENCONTRO












































































































sábado, 14 de outubro de 2017

A Importância do Batismo


Ambiente: 

➧Toalha branca, crucifixo, Bíblia, vela, veste branca, óleo, água, flores.


Como já estamos fazendo há algumas semanas, no momento da oração inicial, rezamos uma dezena do Santo Terço, pedindo a intercessão e proteção de Nossa Senhora Aparecida, para as crianças e a nossa Pátria. Uma rosa era passada de mão em mão, a cada Ave-Maria rezada. 

Depois da oração inicial, passamos para o nosso tema de hoje - o Batismo, primeiro sacramento de iniciação cristã. Vimos a importância desse sacramento como seguimento a Jesus, como é realizado, significado dos símbolos e o nosso compromisso de batizado, de cristão. 

(Roteiro do encontro na página Banhados em Cristo Somos Uma Nova Criatura).

Continuando, convidei a turma para recordar o dia de seu batismo, lembrando que entre nós há uma coleguinha que ainda não foi batizada e que vai daqui a algum tempo celebrar o batismo, mas que deve ir se comprometendo com Jesus. Dirigindo-me aos já batizados, disse: "Quando vocês eram ainda pequenos, seus pais e padrinhos apresentaram vocês à Igreja e vocês já foram batizados. Aquele dia do batizado - a celebração, a festa - significou muito para a Igreja e para toda a família de vocês. Vocês estavam começando a vida. Os pais, cheios de amor e cuidados, queriam que vocês já começassem a vida na presença de Jesus ressuscitado, no seguimento dele. Assim, por meio do Batismo, vocês começaram a vida marcados com o sinal da fé, na companhia amorosa daquele que nunca nos abandona."

Reconhecendo a importância do Batismo que um dia recebemos, vamos renová-lo neste encontro e aquele que ainda não foi batizado e vai daqui a algum tempo celebrar o Batismo, deve desde já ir se comprometendo com Jesus, manifestando o seu desejo de continuar na catequese, em busca da vida nova que um dia vai abraçar de vez quando for batizada.

Começando pela criança não batizada, convidei os catequizandos a se aproximarem para a aspersão, perguntando a cada um: "Você quer ser um seguidor de Jesus?" Depois da resposta, a criança foi aspergida com a água.

No final, rezamos o Pai-Nosso e a oração do Santo Anjo.



ALGUNS MOMENTOS DO NOSSO ENCONTRO























































São Francisco de Assis, exemplo de verdadeiro discípulo e missionário de Cristo!


Iniciamos o nosso encontro lembrando que estamos no Mês das Missões. A Campanha Missionária é realizada todos os anos, no mês de outubro, quando a Igreja se volta para a necessária compreensão das Missões, isto é, da permanente preocupação pelo anúncio do Evangelho a todos os povos.

Refletimos sobre o que é ser missionário, que ao contrário do que muitos podem pensam, não é somente aquele que sai de sua terra para evangelizar em outros continentes. Ser missionário é um compromisso que vai muito além desse conceito. Ser missionário é, antes de tudo, uma decisão pelo anúncio da Boa Nova, assumindo com fidelidade o envio de Jesus: "Ide pelo mundo inteiro e anunciai a Boa Nova a toda criatura."

Ser missionário é a essência do ser cristão. Assim como o Pai enviou Jesus, Ele também nos envia (Jo 20,21). Anunciar a Boa Nova a toda criatura é um compromisso de toda comunidade cristã e exige de nós abertura constante aos anseios do povo em nossa época. Assim como Jesus, devemos conhecer os desafios do nosso tempo e transmitir com entusiasmo e convicção, a mensagem de Boa Nova que nos foi confiada.

Somos, portanto, continuadores da missão de Jesus no mundo. E como estamos assumindo esta missão? Pedi que pensassem sobre isso durante essa semana, porque no próximos encontro iremos  aprofundar sobre o tema.

A seguir, contei para as crianças a história de um grande missionário, exemplo de serviço, amor e humildade: SÃO FRANCISCO DE ASSIS, cuja festa foi celebrada por nossa Igreja no dia 4 deste mês. 

São Francisco é exemplo de amor incondicional ao próximo. Uma vez, ao se deparar com um leproso, venceu sua repulsa natural por meio do Espírito Santo e beijou-lhe. Desde esse dia, passou a servir e dedicar-se aos doentes nos hospitais, voltou seu olhar aos pobres com suas roupas e dinheiro.

Francisco louvava a Deus unindo-se aos animais, conversava com eles, respeitava-os. Amava também o fogo, a água, o vento, o ar e a todos chamava de "irmãos".

Acharam muito interessante quando falei que o primeiro presépio foi montado por São Francisco de Assis, e o objetivo era facilitar a compreensão do nascimento de Jesus.

Finalizando o encontro, lemos o Cântico das Criaturas, que foi composto por Frei Francisco, para louvar o Senhor, pouco antes de morrer.

E como todo dia é dia das crianças, mimos para todos os meus catequizandos!

Foi maravilhoso o nosso encontro!

Obrigada, Senhor!




ALGUNS MOMENTOS DO NOSSO ENCONTRO...